5 dicas para quem está com dificuldades em pagar um empréstimo

5 dicas para quem está com dificuldades em pagar um empréstimo

As pessoas tomam empréstimos quando não têm dinheiro para comprar algo que desejam. Os empréstimos em si, representam muito bem o princípio da renda fixa: uma pessoa que tem dinheiro sobrando empresta seu dinheiro para uma instituição, que, por sua parte, empresta dinheiro para quem está em busca de crédito. O preço que se paga pelo empréstimo, tanto pela instituição quanto pelo tomador é chamado de juros.

Juros

O juro pode ser entendido como o custo do crédito, ou seja, é o preço pago pelo uso do dinheiro de outra pessoa. Em geral, a maioria das pessoas prefere o consumo imediato ao consumo futuro. Dessa forma, a taxa de juros é um incentivo a postergar o gasto. Para induzir os investidores a emprestar dinheiro por um período mais longo, normalmente é necessário pagar-lhes uma taxa de juros mais alta. Da mesma forma, o cumprimento das obrigações do tomador é mais difícil de ser estimado quando se trata de períodos mais longos. Logo, o tempo é um fator que afeta diretamente a taxa de juros.

Outros fatores que afetam a taxa de juros são os riscos associados ao tomador, a liquidez dos títulos, a inflação esperada e a expectativa futura da taxa de juros.

Além disso, é importante ressaltar que em quase todos os casos, a taxa de juros é cobrada na forma juros compostos, ou seja, ocorre a prática do juros sobre juros, quanto maior for o tempo, maior serão os juros.

As taxas de juros no Brasil são baseadas na taxa básica, a Selic.

Mercado de Crédito

O crédito tem uma grande importância na economia, pois ele possibilita acelerar o consumo, o que , consequentemente, aumenta a produção das empresas.

O principal negócio dos bancos é exatamente o citado no começo do texto: repassar recursos de quem tem recursos disponíveis para quem necessita de recursos. Porém, existe uma enorme variedade de produtos disponíveis que se diferenciam em prazos, taxas, formas de pagamento e garantias e limite.

De maneira geral, os créditos podem ser categorizados da seguinte maneira:

  • Empréstimo: a utilização dos recursos pelos clientes tomadores não está direcionada para uma finalidade específica
  • Financiamentos: a utilização dos recursos pelos clientes tomadores está direcionada para uma finalidade específica e a origem dos recursos é predefinida.

A formação das taxas dos produtos de crédito tem como referência a curva de juros futuros do mercado, que informa o custo-base das taxas de captação de títulos públicos federais; e os componentes do spread (diferença entre a taxa de aplicação e a de captação, que pode ser visto como o lucro do banco).

Os bancos também estão preocupados com o perfil de seus clientes, buscando não correr grandes riscos. Assim, classificam seus clientes como:

  • Malabarista: Alto grau de endividamento e baixa capacidade de pagamento
  • Ambicioso: Alto grau de endividamento e alta capacidade de pagamento
  • Carneísta: Baixo grau de endividamento e baixa capacidade de pagamento
  • Conservador: Baixo grau de endividamento e alta capacidade de pagamento

Modalidades

As instituições que captam através de depósito à vista são consideradas instituições monetárias, pois possuem a capacidade de criar moedas escriturais por meio do efeito multiplicado de crédito.

Os bancos comerciais têm como objetivo fornecer crédito de curto e médio prazos para pessoas físicas, comércio, indústria e empresas prestadoras de serviços. A captação de recursos se dá por meio de depósitos à vista, depósitos a prazo (CDB e RDC), letras financeiras (LF), Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) e recursos externos.

Os bancos múltiplos são os bancos que possuem pelo menos duas carteiras de serviços (banco comercial, banco de investimento, banco de desenvolvimento, sociedade de crédito imobiliário, sociedade de arrendamento mercantil, sociedade de crédito).

As Cooperativas de Crédito são instituições financeiras formada por uma associação autônoma de pessoas unidas voluntariamente, sem fins lucrativos, para prestar serviços a seus associados. O objetivo é prestar serviços financeiros de modo mais simples e vantajoso aos seus usuários

O Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) é constituído pela Caixa Econômica Federal, pelas Sociedades de Crédito Imobiliário, pela Associação de Poupança e Empréstimo e pelos Bancos Múltiplos. Todas essas instituições possuem a capacidade de captar através de depósitos de poupança, e são obrigadas a destinar 65% dos recursos captados para operações de financiamento imobiliário, sendo que 80% desse valor deve ser em operações do Sistema Financeiro Habitacional (SFH) e 20% em operações de financiamento imobiliários contratadas a taxas de mercado.

No site do Banco Central é possível encontrar as taxas de juros cobradas por cada instituição financeira, nas diferentes modalidades. A tabela abaixo mostra uma média e seus desvios para cada categoria:

A última linha da tabela mostra o caso em que opta-se ao invés de pegar um empréstimo, investir o dinheiro no Tesouro Direto. Assim, além de não ter que pagar os juros, ganha-se um rendimento. É uma decisão importante a ser considerada para os casos em que não tem-se a urgência do empréstimo.

Dessa forma, seguem 5 dicas que podem ajudar na hora de decidir pegar dinheiro emprestado:

  1. Se não for extremamente necessário, evitar o créditoNos casos em que pode-se esperar para adquirir o bem ou serviço, acaba compensando acumular o dinheiro e aplicá-los em investimentos. Além de ter um ganho de rendimentos, na maioria dos casos comprar à vista acaba gerando descontos.
  2. Antes de fazer um empréstimo, planeje-se

O empréstimo nada mais é do que pegar um dinheiro que não é seu. Por isso, depois de um tempo, é preciso devolver tal dinheiro acrescido de juros. Logo, ter total planejamento sobre como será o pagamento é fundamental.

3.Verificar quais as opções de crédito disponível

Conforme vimos neste texto, existem diversas opções de crédito em diversas instituições financeiras. Por isso, comparar e escolher a que ofereça as melhores condições é mais do que importante.

4. Trocar empréstimo atual por um de juros menor

Muita gente acaba pegando um empréstimo e não conseguindo pagá-lo. Muitas vezes, são linhas de crédito com juros mais altos, como cartão de crédito e cheque especial. Nesses casos, pode-se buscar outros empréstimos com juros menores.

5. Economizar e Poupar sempre

Evitar empréstimos e linhas de crédito é um bom hábito, pois assim não se paga juros pela tomada de dinheiro dos outros. Para isso, ter a cultura de evitar gastos desnecessários e juntar dinheiro e investi-lo contribuem para que esse hábito se concretize. Vale lembrar também que comprar as coisas à vista acaba trazendo descontos!

Deixe uma resposta

Fechar Menu