A Guerra dos Panetones

A Guerra dos Panetones

Natal chegando e um dos itens mais lembrados desta época do ano é o panetone. Apesar de ser tradicional no Brasil há um bom tempo, o panetone tem sua origem na Itália, no século 15. Existem algumas versões da história do produto, porém, a mais famosa é a do “Pani di Toni” (em português o “Pão de Toni”).

A Origem

Nesta história, tudo começou com o padeiro Toni, da cidade de Milão. O padeiro estava trabalhando exaustivamente com as encomendas na véspera de Natal. Em uma fornada, ele acabou fazendo ao mesmo tempo pães e uma massa de torta. Porém, ele acabou colocando as frutas da torta na massa de pães. Para tentar consertar, ele adicionou frutas cristalizadas, manteiga e ovos na receita. Toni acabou levando o resultado para o seu chefe, que gostou muito e tornou a receita um sucesso na cidade.

No Brasil, o produto chegou na época da Segunda Guerra Mundial, quando imigrantes italianos vieram em peso para cá. A receita acabou sendo repassada entre as gerações, e foi ganhando gosto pela população local.

Séculos depois, em 2005, foi assinado um decreto na Itália protegendo a verdadeira receita do panetone, com a determinação das quantidades mínimas de cada ingrediente (farinha, sal, água, açúcar, ovos e frutas cristalizadas). Porém, como sabemos, aqui no Brasil a criatividade foi usada para criar produtos “derivados” do panetone, como as versões salgadas e os chocotones.

Aumento nos preços de um ano para outro: o efeito inflação

Quem costuma comprar panetones e chocotones todos os anos deve perceber que a cada ano os preços acabam aumentando, de uma maneira geral. Como já trouxemos aqui no blog, este aumento de preços não é uma exclusividade dos panetones, mas sim, de praticamente todos os produtos e serviços. Isto se dá em função da inflação.

Na receita dos panetones, de uma maneira geral, estão inclusos ingredientes como farinha, sal, água, açúcar, ovos e frutas cristalizadas (no caso dos chocotones, o chocolate entra no lugar destas últimas). Além disso, há ainda o valor do salário da mão de obra envolvida na produção e outros custos, como água e eletricidade. De uma maneira geral, estes ingredientes, a mão de obra e os custos gerais vão ficando mais caros, o que, naturalmente encarecem o preço final do panetone. E, o trigo, por exemplo, é um produto importado, e, o preço do dólar acaba tendo total influência.

Só para você ter um efeito de comparação, por exemplo, em 2010, o preço dos panetones vendidos em supermercados variavam de R$ 4 a R$ 20 (fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2010/11/20/interna_cidadesdf,223986/panetone-ja-comeca-a-invadir-padarias-e-supermercados-da-capital.shtml). Já neste ano, nos supermercados o preço do produto está variando, em média, de R$ 7 a R$ 35 (fonte: https://www.acidadeon.com/campinas/economia/NOT,0,0,1462555,panetone+sem+nome+pode+custar+4+vezes+menos+que+marca+lider.aspx)

Gangorra de preços de outubro a janeiro

Além das variações anuais de preços, há também uma variação ao longo dos meses em que o produto é vendido. Apesar de supermercados possuírem fabricações próprias que vendem o panetone ao longo do ano todo, a maioria das marcas acaba vendendo o produto apenas nesta época próxima ao Natal.

Desta forma, o produto começa a aparecer nas prateleiras a partir de outubro. O produto entra com um preço inicial, que tende a ir subindo até a proximidade do Natal. Passada esta data, o preço tende a ir caindo.

O que explica isto é a lei da Oferta x Demanda. Conforme o Natal vai se aproximando, a procura pelos panetones vai subindo (aumento da demanda), o que faz com que os preços também subam. Após o Natal, acontece o inverso, com a redução da demanda. Para limpar os estoques e não perder os produtos por conta da validade, são criadas promoções.

Neste ano, a expectativa é de que os preços aumentem em 13% até o Natal, e, depois da ceia, tenham queda de 30% a 40% (fonte: https://epocanegocios.globo.com/Brasil/noticia/2019/11/panetone-feito-no-supermercado-e-custa-ate-75-menos-diz-associacao-de-supermercados.html)

Variação de preços entre as lojas

Numa mesma região, shopping ou centro comercial, é muito comum encontrarmos produtos idênticos, mas também com variações de preços. O produto é vendido também em vários e-commerces, o que permite a comparação também dos preços das lojas físicas com o das lojas virtuais (lembre-se de calcular o frete).

Variação de preços entre marcas: o valor agregado

Uma outra variação de preços é a que ocorre entre as marcas. É possível encontrar desde os panetones de fabricação própria de supermercados e padarias, a partir de R$ 7, até os panetones mais “refinados”, com recheios diferenciados ou de marcas glamurosas, podendo custar mais de R$ 112 (fonte: https://epocanegocios.globo.com/Brasil/noticia/2019/11/panetone-feito-no-supermercado-e-custa-ate-75-menos-diz-associacao-de-supermercados.html).

Trata-se de uma variação de 75%. E o que justifica isso, supostamente se tratando de um mesmo produto, é o valor agregado. O nome da marca, a tradição e a qualidade são fatores que agregam valor ao produto, e, consequentemente, fazem com que as pessoas estejam dispostas a pagar mais por eles.

Mesmo produtos de uma mesma marca, com o mesmo peso, também podem apresentar uma variação nos preços, em função dos recheios. É muito comum algumas marcas buscarem recheios e sabores de produtos já existentes no mercado, que acabam chamando a atenção e podem agregar maior valor no produto.

Alguns panetones acabam tendo tanto valor agregado que não são vistos como um alimento, mas sim como um presente. Isso acaba justificando os preços bem mais altos do que os mais “tradicionais”.

Panetone brasileiro vendido fora custa mais barato?

Como qualquer outro produto vendido aqui, o panetone leva junto consigo na sua precificação os impostos. O Panetone brasileiro é tão famoso que ele costuma ser exportado para alguns países, como Estados Unidos, Canadá e Japão. E alguns levantamentos já foram feitos e mostram que, em vários casos, o produto brasileiro vendido no outro país custa mais barato do que o mesmo produto vendido aqui. E o que explica isto é justamente a carga tributária.

Panetones artesanais: uma opção bem interessante

Além dos panetones vendidos nos supermercados, padarias e lojas, é muito comum pessoas que gostem de cozinhar produzirem os panetones artesanais. Trata-se de uma fonte de renda extra para este público, e, um produto diferenciado e exclusivo para quem compra. Para os dois lados acaba sendo algo muito interessante.

Como você deve ter percebido, os panetones podem ser vistos como uma verdadeira aula de economia, visto que seus preços podem variar por vários fatores. Como consumidor, busque algumas estratégias para aproveitar os melhores preços:

  1. Compare preços entre marcas e lojas
  2. Fique atento às promoções
  3. Se o Panetone for um presente, busque comparar o preço dele com outros presentes que poderiam ser dados
  4. Se possível, aguarde a época após o Natal para aproveitar as liquidações

Deixe uma resposta

Fechar Menu