Educação Financeira a partir do Álbum da Copa

Educação Financeira a partir do Álbum da Copa

A Copa do Mundo de 2018 está chegando. A Copa começará em junho, porém, muita gente já entrou no clima do torneio desde o mês passado, quando foi lançado o tradicional Álbum de Figurinhas da Copa. É nessa época do ano que bancas de jornal e outros pontos passam a fazer parte da rotina dos colecionadores para a compra e troca das figurinhas. Neste ano, o preço do pacote com 5 figurinhas chegou a R$ 2,00, e, cada vez mais, chama a atenção dos colecionadores pelo aumento dos preços. Colecionar o álbum está ficando cada vez mais caro

História

O hábito de colecionar figurinhas não é de agora. Os primeiros registros de figurinhas são da Europa, por volta de 1870. No Brasil, o primeiro álbum que começou a circular foi no início dos anos 1900. Tratava-se da publicação de uma tabacaria, na qual cada uma das 60 figurinhas correspondia à bandeira de um país. O primeiro álbum oficial de futebol chegou apenas em 1950 no Brasil. Este foi publicado pouco depois da “trágica” Copa do Mundo na qual o Brasil perdeu o título em sua própria casa.

As Copas de 54 e 58 tiveram registros de álbuns colecionados somente após o torneio. Já a partir da Copa de 62, as crianças e adolescentes puderam colecionar as figurinhas antes do evento esportivo. A partir daí, os álbuns foram ganhando avanços, com figurinhas coloridas e com a produção em larga escala, inclusive com o seu licenciamento.

Números

É de se admirar os números de vendas de figurinhas nessa época do ano. São milhões de colecionadores ao redor do mundo. Só no Brasil, na Copa de 2014, foram mais de 8 milhões de pessoas se esforçando para completar o álbum. A Panini, empresa que produz o álbum, afirma serem produzidas 40 milhões de figurinhas por dia.

Confira abaixo, alguns números dos álbuns das últimas Copas:

Na comparação, temos a variação dos preços referentes ao álbum, ao pacote de figurinhas, ao preço unitário das figurinhas, ao total de figurinhas no álbum, ao investimento mínimo para completar o álbum (considerando não ter nenhuma figurinha repetida) e à inflação acumulada, considerando que fosse investido R$ 1,00 para acompanhar a inflação.

Os números chamam a atenção, já que os preços do álbum e da figurinha cresceram fortemente, ultrapassando a própria inflação. Se o álbum da Copa fosse um investimento financeiro, ele traria ótimo retorno aos seus investidores! Por exemplo, se fossem investidos os R$ 99,60 necessários para completar o álbum em 2010 em relação ao índice de inflação IPCA, o valor resgatado hoje seria de R$ 160,80, contra R$ R$ 280,70 que é o que custa o álbum hoje.

Educação Financeira

Colecionar o álbum de figurinhas é uma febre e a cada Copa que passa tende a crescer ainda mais, pois além de ter a coleção por si só, acabam acontecendo eventos, trocas coletivas e até jogos (tradicionais bafinhos). Porém, como vimos anteriormente, cada vez mais é fundamental haver um bom planejamento financeiro para que a coleção não passe a comprometer o bolso dos colecionadores.

Fazendo uma especulação, baseado no preço dos últimos álbuns e figurinhas, chegamos nos preços para a próxima Copa, de 2022:

Com isso, são possíveis 3 cenários para quem for colecionar:

  • Natural

Nesse caso, não há um planejamento prévio para a coleção, o que faz com que os valores para compra do álbum precisem “ser tirados” de algum lugar.

  • Poupar

Neste caso, desde já, com o término da Copa desse ano, é possível ir juntando dinheiro para a próxima coleção

  • Investir

Este é o melhor dos cenários, no qual, além de Poupar, o dinheiro é também investido, para que gere rendimentos, e o custo para montar o álbum seja “mais barato”.

Confira a comparação, entre poupar o dinheiro, investir na Caderneta de Poupança e investir no Tesouro Direto ou investimento semelhante:

Portanto, os valores que precisam ser guardados mensalmente não são elevados, e, se começarem a serem separados desde cedo, farão com que a experiência das figurinhas sai mais barato!

 

Deixe uma resposta

17 − 6 =

Fechar menu