Bolsa de valores: o que é e como começar a investir

Bolsa de valores: o que é e como começar a investir

Começar a investir na bolsa de valores é o desejo de diversas pessoas que buscam independência financeira, mas ainda existe muito receio com relação ao mercado de ações. 

Atualmente, diversos indivíduos investem diretamente em ações, garantindo um rendimento acima da sua renda fixa. 

Afinal, a bolsa oferece uma rentabilidade maior, oferecendo uma oportunidade de avançar em seus investimentos.

Muitas vezes, empresários utilizam recursos como a bolsa de valores para ampliar seu capital de giro. Uma empresa transporte executivo pode ter uma cartela de investimentos para manter sua saúde financeira.

Com a internet e a modernização dos processos, hoje em dia é mais fácil do que nunca investir na bolsa, mesmo com valores pequenos.

Qualquer pessoa com acesso a um smartphone e uma pequena quantia de recursos pode se tornar sócio de uma empresa através da compra de ações, que nada mais são do que pequenas frações do capital empresarial, dando direito a participação na sociedade.

Na bolsa brasileira, é preciso se acostumar à primeira vista com as subidas e descidas de preço na bolsa para poder identificar a melhor hora de comprar e vender suas ações.

Afinal, as ações que costumam ser negociadas são os ativos de renda variável, tendo como principal característica os rendimentos que não são conhecidos no momento da aplicação. Isso significa que trata-se de uma negociação de alta volatilidade.

Com uma estratégia completa planejada, é possível conseguir ganhos consideráveis com a valorização dessas ações, recebendo uma boa quantia nas negociações.

A variabilidade é tamanha que algumas ações podem chegar a crescer mais de 1000% ao longo de anos, proporcionando ganhos incomparáveis para seus investidores, muito maiores que qualquer outra oportunidade de rendimento no mercado atual.

O melhor de tudo é que hoje em dia você não precisa de uma série de burocracias para efetuar compras e vendas na bolsa de valores. 

A internet possui uma série de recursos e informações relevantes para a análise do mercado, além de diversos aplicativos tornam a possibilidade de corretagem muito maior.

Por incrível que pareça, as pessoas comuns têm adquirido cada vez mais a capacidade de se engajar no mercado de ações. 

Um indivíduo que trabalhe com reciclagem componentes eletrônicos pode juntar seus recursos para tentar ampliar seu capital usando conhecimentos básicos da bolsa de valores.

Há algum tempo atrás, comprar ações na bolsa era algo restrito a investidores profissionais, pessoas com alto poder aquisitivo que faziam as negociações em pregões.

Atualmente, com seu CPF e um pouco de dinheiro sobrando é possível começar os investimentos sem sair de casa. Isso fez um grande aumento de público dentro das bolsas mundiais, e a brasileira não foi diferente.

A maior parte dos investidores que entraram nessa onda tem um perfil bem mais conservador, além de jovem – talvez pela facilidade de interação com a tecnologia, investindo quantias pequenas para evitar potenciais perdas.

Trabalhar com projetos de automação industrial pode permitir um acúmulo de capital maior, que acaba modificando seu perfil de investidor e amplia as chances de aumentar o valor investido.

Pensando nisso, acompanhe a leitura deste artigo para saber como começar a investir.

O que você precisa saber antes de investir

Algumas etapas devem ser tomadas antes de você começar a investir na bolsa de valores. Por ser uma negociação com algum grau de risco, é essencial estar organizado para evitar problemas futuros.

O primeiro passo para isso é organizar a sua vida financeira. O processo é simples, mas é preciso identificar todos os obstáculos e tirá-los do caminho para atingir esse objetivo.

Isso significa que seus ganhos devem ser maiores que seus gastos, gerando um maior capital disponível para investimentos. É importante focar-se em quitar suas dívidas para poder aplicar o dinheiro com mais tranquilidade, além de separar uma quantia mensal.

Se você trabalha com manutenção em empilhadeira, é possível que tenha algum tipo de recurso guardado para emergências. Ao utilizar esses recursos para alavancar sua carteira de investimentos, estará tomando um importante passo rumo à independência financeira.

Boa parte do lucro de investimentos vem da resiliência no mercado, então torna-se fundamental que você continue investindo e compreendendo a forma do pregão para conseguir tomar decisões assertivas.

Um ponto importante para sua saúde financeira é criar uma reserva de emergência. Isso é essencial para começar a investir na bolsa, uma vez que as negociações são mais variáveis.

O ideal para se ter em reserva de emergência em uma aplicação de renda fixa é o suficiente para cobrir todos seus gastos pelo período de 6 a 12 meses, em caso de imprevistos, como perda de emprego ou de renda, por exemplo.

Uma pessoa que trabalha como autônomo com instalação e manutenção elétrica pode ter períodos com menos trabalho, fazendo uso dessas reservas para conseguir se manter enquanto o mercado se estabiliza.

Por isso, uma dica para esse dinheiro é que ele permaneça em algum tipo de aplicação de renda fixa com liquidez diária, para conseguir um rendimento maior do que a poupança com a facilidade de poder tirar o dinheiro a qualquer momento.

Estude mais sobre a bolsa de valores

Investir na bolsa exige algum domínio técnico, então, antes de iniciar o investimento, é necessário estudar o mercado de ações.

É ideal familiarizar-se com os termos técnicos e conceitos do mercado financeiro, uma vez que esse tipo de investimento requer uma atenção especial.

Identificar seu perfil de investidor também é fundamental para iniciar o processo.

É comum que todos os que estão iniciando agora comecem com um perfil mais conservador, que prioriza a segurança e não tem problemas em ter um lucro menor para garantir a segurança de seus recursos.

Você não vai gastar os recursos adquiridos com sua empresa de transporte de resíduos sem um bom planejamento. Isso vale também para seus recursos de casa, que podem ser utilizados para uma maior chance de evolução de investimento.

Os conservadores costumam manter a maior parte de seus recursos em renda fixa, aplicando em:

  •  CDB (Certificado de Depósito Bancário);
  • LCI (Letra de Crédito Imobiliário);
  • LCA (Letra de Crédito Agropecuário);
  • Poupança;
  • Tesouro Direto.

Esses tipos de investimentos têm um retorno bem abaixo de outros formatos, mas conseguem garantir os recursos com segurança.

Depois de algum tempo, o investidor pode decidir seguir para a próxima etapa, tornando-se uma pessoa de perfil moderado. Nestes casos, a pessoa já está buscando uma maior rentabilidade, tentando balancear com a segurança. 

Embora parte de seus recursos permaneça na renda fixa, ele já começa a experimentar com ativos de renda variável.

Quando já está mais familiarizado com os sistemas de investimento, o investidor pode decidir partir para o perfil arrojado. 

Neste caso, ele guarda apenas o mínimo necessário na renda fixa para eventuais emergências, avançando nas possibilidades do mercado com a renda variável.

Dicas de como começar a investir

Após todo o preparo, é hora de iniciar sua carreira como investidor. Em primeiro lugar, é necessário definir especificamente seus objetivos.

Compreenda qual valor você pode utilizar para investir, estipule uma meta de investimento mensal e metas objetivas para alcançar com o investimento. 

Com isso, determine o período de tempo que pretende deixar o dinheiro investido, para assim começar a traçar a sua estratégia.

Por exemplo, se você é um engenheiro, certifique-se de que todos os seus gastos estão em dia. Não basta só ter cartão de visitas engenheiro civil, mas identificar que todos os gastos foram pagos e o valor que você tem disponível pode ser investido.

Você que está começando do zero, deve se organizar para utilizar uma estratégia de longo prazo, que permite construir um patrimônio melhor com empresas sólidas em sua carteira de investimentos.

É possível também buscar ganhos mais rápidos, às vezes até no mesmo dia. Nesse ponto, é primordial ter uma compreensão maior tanto do mercado, quanto das ferramentas de análise, para avaliar a movimentação diária.

Depois de escolhido e iniciado o investimento, será necessário estar preparado para as altas e baixas do mercado. 

Um dos pontos que mais assusta investidores novatos é esse balanço do mercado financeiro, que faz muitas pessoas errarem o momento de vender e comprar ações.

Pensando nisso, o ideal do investimento a longo prazo é compreender a evolução total da empresa. Muitas ações sobem muito em um período de um a cinco anos, mas podem ter momentos de queda entre esse período.

Acompanhar as cotações e notícias relacionadas ao mercado financeiro também é fundamental. É com esse tipo de análise que você conseguirá identificar os melhores momentos de compra e venda de ações, potencializando seus resultados.

Muitas publicações de especialistas contém previsões e análises de mercado, que podem servir como um norte para seu investimento.

É importante pensar na qualificação de operação que você realizará para aumentar seu capital.

Vale lembrar ainda que nenhuma recomendação desse tipo pode ser seguida à risca, afinal de contas, a única pessoa que pode decidir o que fazer com seu dinheiro é você próprio.

Assim, o estudo contínuo e a tranquilidade na hora de operar podem ser grandes diferenciais para o sucesso nos seus investimentos.Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

Fechar Menu