Além do Bitcoin: conheça Ripple, uma tecnologia criada para os bancos

Além do Bitcoin: conheça Ripple, uma tecnologia criada para os bancos

Na última década, o mercado financeiro começou a abrir suas portas para uma nova forma de investir: o universo das criptomoedas. A mais popular entre elas, o Bitcoin, já vem se tornando cada vez mais aceita em diversos países. Para além da compra e venda das criptomoedas e a possibilidade de lucrar com estes investimentos, elas também trouxeram propostas de modernizar e agilizar as transações financeiras. Isso foi possível devido a uma tecnologia chamada de blockchain, que garante transações seguras e descentralizadas. A ideia por trás dessa tecnologia é não depender de nenhum banco ou governo. A validação das transações acontece por meio de um consenso entre inúmeros usuários através de uma rede de computadores, de modo que não há uma única instituição controlando.

Em meio a esse cenário, surge em 2012 o Ripple, que contraria a proposta inicial das criptomoedas ao disponibilizar essa tecnologia modernizada às instituições bancárias. A proposta do Ripple é, a partir do seu protocolo de pagamento, facilitar as transações que acontecem nos bancos e permitir que eles se adaptem a essa nova onda do mercado.

O que é o protocolo de pagamentos Ripple?

O Ripple é um protocolo de pagamento criado para a incorporação de bancos e instituições bancárias. É um sistema que possibilita a transferência de quaisquer moedas (inclusive digitais), seja dólar, euro, Bitcoin, entre outras. Essas transferências acontecem de forma praticamente instantânea, entre qualquer país, contrastando com as transferências bancárias como as conhecemos hoje.

Esse sistema possui sua própria criptomoeda, também chamada de Ripple e representada pela sigla XRP. O Ripple é atualmente uma das três principais criptomoedas do mercado, estando atrás apenas do Bitcoin e do Ethereum.

Qual a diferença entre Ripple e Bitcoin?

Apesar de inúmeras semelhanças, Ripple e Bitcoin são duas moedas que possuem algumas diferenças. Como dito anteriormente, a própria proposta do Ripple de se relacionar aos bancos já é uma divergência entre essas criptomoedas.

Além disso, o Ripple não é uma moeda que passa pelo processo de mineração. A moeda Ripple é emitida pela própria empresa que a criou e desenvolveu, a OpenCoin. Para evitar a inflação, a empresa criou uma quantidade limitada da moeda, e por enquanto apenas uma parte dessa quantia foi liberada para circulação.

Já o Bitcoin, assim como outras criptomoedas, é minerado. Isso significa que aqueles usuários que participam da rede de computadores do blockchain validando transações recebem como recompensa um valor em Bitcoins. Essa recompensa acontece devido aos gastos de eletricidade necessários para participar e manter a rede. Dessa forma, mais Bitcoins entram em circulação. De todo modo, esse valor de Bitcoins que os usuários da rede recebem nas transações cai pela metade a cada 4 anos. Esse processo é conhecido como halving do bitcoin e também representa o intuito de existir uma quantidade limitada de Bitcoins, para que a moeda não sofra desvalorização ao passar dos anos.

Como o Ripple não é minerado, isso permite com que suas transações aconteçam de forma ainda mais rápida do que o Bitcoin. O Ripple consegue realizar até 1.500 transações por segundo, enquanto o Bitcoin aguenta de 3 a 6. Desse modo, as transações que acontecem no sistema de pagamentos do Ripple são quase que instantâneas.

Vale a pena investir em Ripple?

Se você está em dúvida se deve investir ou não em Ripple, alguns pontos precisam ser considerados.

A agilidade que o protocolo de pagamentos Ripple trouxe representa custos mais baixos. Por isso, diversas instituições financeiras já aderiram ao sistema, como o banco Santander, BBVA e American Express. A moeda vai se valorizando mais à medida que for incorporada a cada vez mais bancos.

O Ripple não é uma moeda que necessariamente concorre com o Bitcoin, já que sua proposta é diferente e, na realidade, existem pontos de encontro entre essas moedas. O protocolo XRP tem uma visão complementar ao Bitcoin, e permite a transferência de qualquer moeda em seu sistema, inclusive o próprio Bitcoin, facilitando as transações e conversões de diversas criptomoedas, a partir de um processamento com muita rapidez.

Devido a esses fatores, o Ripple pode apresentar um futuro promissor, se estabelecendo como um sistema muito utilizado, de modo que sua moeda seja cada vez mais valorizada. No geral, uma regra importante para qualquer investidor é saber diversificar seus investimentos. No mundo das criptomoedas, isso não é diferente. Com diversas opções no mercado, o Ripple é uma das principais criptomoedas para você diversificar sua carteira.


O artigo é um guest post da redação do BitcoinTrade

Deixe uma resposta

Fechar Menu