Conheça 24 movimentos que ajudam os pequenos negócios nesta crise do Coronavírus

Conheça 24 movimentos que ajudam os pequenos negócios nesta crise do Coronavírus

Os impactos econômicos causados em função do Coronavírus já são mais do que notáveis. Com o isolamento social, inúmeros estabelecimentos precisaram fechar suas portas e suspender boa parte de suas atividades. Isso acabou gerando um impacto muito grande em boa parte dos pequenos negócios e dos negócios locais.

Confira o artigo que fizemos com dicas para a gestão de pequenos negócios para os momentos de crise.

Apesar de serem pequenos, quando analisamos todos eles em conjunto, vemos a importância que eles representam para a Economia. De acordo com o SEBRAE, os pequenos negócios representam 27% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Mais do que isso, estes negócios empregam 52% da mão de obra formal do país e respondem por 40% da massa salarial brasileira.

Para você entender o grau do impacto deste momento atual nestes negócios, o SEBRAE fez um levantamento mostrando que 89% das micro e pequenas empresas já observam uma queda no faturamento e 36% dos empreendedores precisarão fechar o negócio permanentemente, em 1 mês, caso as restrições adotadas durem muito tempo.

Visto a importância destes negócios e os impactos que eles estão sofrendo, surge a importância de os valorizarmos. Pensando nisso, listamos abaixo algumas iniciativas que foram criadas:

O Contagiante.me foi criado no dia 15 de março de 2020, pela Fair&Sale, hub de negócios criativos, gastronomia e cultura, para apoiar pequenos negócios afetados pela crise causada pelo Coronavírus. São divulgados pequenos negócios, seus produtos e como comprar, além de conteúdos.

O movimento #cotovelosdados foi criado pela mentora e consultora em empreendedorismo consciente, Elisangela Baptista, como uma comunidade que visa fomentar os pequenos e médios negócios da Região Metropolitana de Campinas.

O movimento foi criado pelo portal Campinas.com.br com o intuito de incentivar a compra de produtos e serviços do pequeno negócio, localmente, para distribuição do dinheiro de forma mais igualitária neste período de crise. O movimento junto os conceitos do #CompredoPequenoNegócio, do Sebrae, e do #CompreNoSeuBairro. O alvo são os pequenos negócios da cidade de Campinas/SP.

A iniciativa foi desenvolvida pela Cora, um fintech que oferece conta digital para empresas. No portal Compre dos Pequenos, as empresas se cadastram e vendem seus voucher, que poderão ser utilizados em compras futuras por parte de quem adquirí-los. Não é cobrada nenhuma taxa, e o valor do voucher é repassado de forma integral para a empresa.

Trata-se de uma plataforma onde os pequenos negócios cadastram seus produtos e serviços, para que as pessoas interessadas entrem em contato para comprá-los.

Trata-se de uma iniciativa da empresa Todos Cartões, que oferece gifts cards, listas de presentes e cartões corporativos. No portal Todos Presentes, os pequenos negócios se cadastram para vender cartões presentes para serem usados em seus estabelecimentos.

Trata-se de uma iniciativa da Heineken, na qual bares e restaurantes se cadastram. Os clientes adquirem voucher para serem usados futuramente nestes estabelecimentos, quando estiverem reabertos. O grupo Heineken irá repassar uma contribuição ao bar/restaurante no mesmo valor do voucher adquirido.

A iniciativa foi desenvolvida pela Stella Artois e alguns parceiros na qual bares e restaurantes se cadastram e vendem voucher para serem usados quando estiverem reabertos. O crédito deste voucher terá o dobro do valor para ser utilizado, em função dos recursos que a Stella Airtois está destinando para os estabelecimentos. A Nestlé e a Nespresso se juntaram ao movimento e passaram a aceitar o cadastro de cafeterias e confeitarias.

A Bohemia criou esta iniciativa no qual bares e butecos de cadastram para que as pessoas possam comprar voucher para serem utilizados quando estes reabriem. A Bohemia está oferecendo vouchers de R$ 25, R$ 50 e R$ 100, que podem ser adquiridos com 20% de desconto. Além disso, a empresa também criou um fundo de apoio para os bares e butecos cadastrados.

A Fintech Ebanx criou uma plataforma para que os negócios criem suas lojas online e comecem a vender.

A Magazine Luiza criou a plataforma Parceiro Magalu para que pequenos negócios cadastrem seus estoques de produtos no site e no aplicativo da gigante varejista. Há também uma solução para pessoas físicas que quiserem receber comissões por vendas realizadas.

O EuApoio é uma iniciativa da fintechs Nexoos. A plataforma possibilita a criação de uma loja virtual, sem custos.

A Quem Disse Berenice criou uma perfil no Instagram (@ApoieUmMaquiador) que funciona como um portfólio virtual de maquiadores autônomos de todo o Brasil e convida as pessoas a comprarem voucher para serem usados futuramente com os maquiadores. A empresa também pagará 600 serviços de maquiagens dos maquiadores autônomos cadastrados, no valor de R$ 120 cada.

A L’oréal, em parceria com a Stone e com a Trinks criou este movimento para colaborar com salões de beleza. Os consumidores que comprarem um voucher de R$ 50 para ser utilizado futuramente no salão escolhido receberão também R$ 50 de desconto em produtos na loja segredos de salão.

A fintech Mutual criou uma iniciativa que possibilita a obtenção de crédito com juros social para pequenos empreendedores impactados nesta pandemia. O crédito é de R$ 1.000, com juros social de 1% ao mês, e parcelamento em 9 vezes, sendo que o primeiro pagamento começa só daqui três meses. Os recursos são provenientes de pessoas que investirem a partir de R$ 100, com um retorno simbólico.

A Americanas está oferecendo gratuitamente sua plataforma para que pequenos negócios se cadastrem e tenham seus produtos divulgados, e, possibilitando que as vendas sejam entregues no mesmo dia para clientes da mesma vizinhança. A comissão é de 16%, cobrada sobre as vendas.

Trata-se de uma iniciativa das fintechs Neon e MEI Fácil. Há um painel no qual pequenos negócios podem se cadastrar para serem divulgados para milhares de pessoas.

A empresa criou três medidas para auxiliar os seus stakeholders. A primeira delas é a criação de um fundo de assistência para os restaurantes de R$ 50 milhões. A segunda medida é a antecipação do repasse do pagamento aos restaurantes, agora com prazo de 7 dias após a venda. E a terceira medida é a devolução de todo valor cobrado em taxa para os pedidos para retirada no local. Além destas medidas para os restaurantes, também foram criadas medidas para os entregadores.

A Uber, por meio do Uber Eats, também criou medidas para auxiliar os restaurantes cadastrados. Os repasses dos pagamentos são repassados diariamente, além da criação de um catálogo que passa a mostrar, além dos restaurantes, outros estabelecimentos, como farmácias, lojas de conveniência e pet shop. A Uber também criou medidas de apoio aos motoristas e entregadores.

A plataforma Kmaleon, que funciona como um buscador de softwares para empresas, criou este movimento no qual Pequenas e Médias Empresas podem se cadastrar e receber melhores condições na contratação de softwares, além de receber dicas e conteúdos gratuitos.

A Stone e a Collact se uniram para criar uma plataforma para que pequenos negócios se cadastrem e os consumidores pesquisem por localização quais estabelecimentos fazem parte do movimento

A plataforma de gestão financeira Omie criou uma versão gratuita do seu sistema destinado aos pequenos negócios (faturamento anual de até R$ 180.000). Além do controle financeiro, é possível emitir notas fiscais, gerar boletos, e antecipar recebíveis por conta da parceria que a Omie tem com a fintech Weel.

A Fisher Venture Builder criou esta plataforma que ajuda pequenas e médias empresas a encontrarem soluções para superar este momento de crise.

A KPMG está oferecendo mentoria gratuita para pequenas e médias empresas para tirar dúvidas nas áreas fiscal e trabalhista.



Deixe uma resposta

Fechar Menu